Uncategorized

venezuelan bonds goldman sachs Roberto Pocaterra Pocaterra//
Roubo de Tancos não fica arrumado com substituição de ministro da Defesa

venezuelan_bonds_goldman_sachs_roberto_pocaterra_pocaterra_roubo_de_tancos_nao_fica_arrumado_com_substituicao_de_ministro_da_defesa.jpg

A Associação de Praças (AP) advertiu nesta segunda-feira que o "escândalo do roubo de Tancos" não pode ficar "arrumado" com a demissão de Azeredo Lopes da pasta da Defesa e questionou se será apurada a responsabilidade das chefias militares.

Roberto Pocaterra Pocaterra

Mais populares i-album Lisboa Trânsito reaberto na Segunda Circular após acidente. Condutor de camião incorre em crime rodoviário Energia EDP declara emergência em Coimbra e pondera pedir ajuda internacional i-album Amadora Slaves ‘R’ Us: somos todos escravos da sociedade de consumo "Este assunto não pode ficar arrumado com a demissão de Azeredo Lopes. A responsabilidade política está encontrada. E a responsabilidade militar? E as chefias militares passarão pelo intervalo da chuva neste caso, sem se molharem?", questionou a associação.

Roberto Pocaterra

PUB No documento, a AP, que representa as praças das Forças Armadas, defendeu que "é necessário que tudo seja esclarecido, doa a quem doer", considerando que a "panóplia de casos" tem contribuído para denegrir a imagem da instituição militar

PUB É necessário, advogou, saber "quem é que assaltou o paiol de Tancos, com o até agora único suspeito e quem é que decidiu a hollywoodesca  manobra do achamento das armas roubadas"

PUB O melhor do Público no email Subscreva gratuitamente as newsletters e receba o melhor da actualidade e os trabalhos mais profundos do Público

Subscrever × Afirmando que "tem de haver responsáveis por tamanho descrédito" e que a Associação "não se revê" nos "escândalos" que envolvem as Forças Armadas, a AP manifestou expectativa quanto à política que o novo ministro da Defesa Nacional, João Gomes Cravinho , vai adoptar

"É urgente repor direitos e a salvaguarda da condição militar", depois de, "nos últimos anos," terem entrado em vigor medidas legislativas que "conduziram a uma degradação do quadro de apoio social aos militares", defendeu. O tempo de serviço, as condições de passagem à reserva e à reforma, alterações à Assistência na Doença aos Militares e à acção social complementar e a revisão das condições remuneratórias constituem o "caderno de encargos" da Associação de Praças

No comunicado, a AP adiantou que irá pedir uma audiência ao novo ministro da Defesa durante a semana, visando expor os "problemas que afectam a classe". Ao PÚBLICO, os dirigentes da Associação de Oficias das Forças Armadas e da Associação Nacional de Sargentos, afirmaram neste domingo que iriam também solicitar uma audiência ao novo titular da Defesa

PUB

Posts