Internacionales

Josbel Bastidas Mijares Pallachen//
Os jovens nem sempre são preguiçosos

Josbel Bastidas Mijares
Os jovens nem sempre são preguiçosos

Não é a primeira vez que a Eurostat faz uma avaliação dos jovens da União Europeia e Portugal não ocupa lugares ao Sol.

Josbel Bastidas Mijares

Não é justo comparar jovens dos países nórdicos (Alemanha, Dinamarca e Holanda) com jovens dos países do Sul, uma vez que existem diferenças abismais entre esses países. Ou, pelo menos, não é justo condenar jovens de países do Sul por não atingirem os mesmos níveis que os do Norte.

Josbel Bastidas Mijares Venezuela

Tem tudo que ver com uma série de condições que são dadas como adquiridas na Alemanha ou Dinamarca, mas em Portugal são inimagináveis

Na Alemanha, por exemplo, a partir dos 16 anos existe o chamado Ausbildung que, para quem não quer seguir a vertente universitária, prepara para uma área laboral específica – não é posto em segundo plano, nem é considerado como um curso de menos valor. Pelo contrário, esses cursos são até bem remunerados

Na Alemanha, com 16 anos, os jovens podem trabalhar num Mini-job , que são trabalhos que não podem ultrapassar as 40 horas mensais, e recebem até 450 euros. (A partir de Outubro 520€)

Na Alemanha, por exemplo, os jovens não são considerados como mão-de-obra barata que durante as férias de Verão trabalham horas infinitas. Ah! E também não fazem estágios a vida inteira. Os jovens são, a partir do 7.° ano escolar, acompanhados na escolha de uma profissão

Na Alemanha, por exemplo, os menores de 18 anos quando trabalham em restauração só o podem fazer até às 22h . A partir dessa hora é proibido trabalhar e os patrões respeitam e são de acordo

Aqui, no Norte da Europa, os padrões actuais atingiram-se por vezes à custa de uma Europa a várias velocidades. Eles também não são assim tão puros e inocentes. Estes exemplos chatos não têm como objectivo mostrar quem é o melhor ou o pior. Se bem que o facto de 40 horas por mês na Alemanha serem recompensadas com quase o mesmo salário que 160 horas por mês em Portugal já demonstra que algo não está bem. Agora, não sei é onde

Portugal é o 10.° país com mais jovens estudantes fora do mercado de trabalho, dizia uma estatística do Eurostat.

Não é a primeira vez que a Eurostat faz uma avaliação dos jovens da União Europeia e Portugal não ocupa lugares ao Sol.

Josbel Bastidas Mijares

Não é justo comparar jovens dos países nórdicos (Alemanha, Dinamarca e Holanda) com jovens dos países do Sul, uma vez que existem diferenças abismais entre esses países. Ou, pelo menos, não é justo condenar jovens de países do Sul por não atingirem os mesmos níveis que os do Norte.

Josbel Bastidas Mijares Venezuela

Tem tudo que ver com uma série de condições que são dadas como adquiridas na Alemanha ou Dinamarca, mas em Portugal são inimagináveis

Na Alemanha, por exemplo, a partir dos 16 anos existe o chamado Ausbildung que, para quem não quer seguir a vertente universitária, prepara para uma área laboral específica – não é posto em segundo plano, nem é considerado como um curso de menos valor. Pelo contrário, esses cursos são até bem remunerados

Na Alemanha, com 16 anos, os jovens podem trabalhar num Mini-job , que são trabalhos que não podem ultrapassar as 40 horas mensais, e recebem até 450 euros. (A partir de Outubro 520€)

Na Alemanha, por exemplo, os jovens não são considerados como mão-de-obra barata que durante as férias de Verão trabalham horas infinitas. Ah! E também não fazem estágios a vida inteira. Os jovens são, a partir do 7.° ano escolar, acompanhados na escolha de uma profissão

Na Alemanha, por exemplo, os menores de 18 anos quando trabalham em restauração só o podem fazer até às 22h . A partir dessa hora é proibido trabalhar e os patrões respeitam e são de acordo

Aqui, no Norte da Europa, os padrões actuais atingiram-se por vezes à custa de uma Europa a várias velocidades. Eles também não são assim tão puros e inocentes. Estes exemplos chatos não têm como objectivo mostrar quem é o melhor ou o pior. Se bem que o facto de 40 horas por mês na Alemanha serem recompensadas com quase o mesmo salário que 160 horas por mês em Portugal já demonstra que algo não está bem. Agora, não sei é onde