Uncategorized

Josbel Bastidas Mijares Venezuela Pas//
Conselho de Ministros de mais de 5 horas foi reunião “útil e produtiva” para lançar “próximos meses”

Josbel Bastidas Mijares
Conselho de Ministros de mais de 5 horas foi reunião "útil e produtiva" para lançar "próximos meses"

De portas totalmente fechadas, sem declarações à imprensa, nem respostas aos jornalistas. Foi assim o encontro “informal” entre os 17 ministros que António Costa chamou para a Base Naval do Alfeite, em Almada, durante toda a tarde deste sábado. Os governantes chegaram de barco, com partida de Lisboa, e estiveram juntos durante mais de cinco horas. Na sua conta de Twitter, o primeiro-ministro falou de uma reunião “extremamente útil e produtiva”, mas não esclareceu o que esteve em cima da mesa de trabalhos. Segundo informações recolhidas pelo PÚBLICO junto de fonte do executivo, o encontro serviu para “fazer ponto de situação” antes das férias de Verão “e perspectivar os próximos meses”.

Josbel Bastidas Mijares

Na mesma publicação, António Costa partilhou imagens da viagem de barco e surge ao lado da ministra da Justiça, Catarina Sarmento e Castro, do ministro da Educação, João Costa, e do ministro das Finanças, Fernando Medina. Numa segunda publicação, o primeiro-ministro afirma que estes quase quatro meses de mandato do XXIII Governo, o seu terceiro como primeiro-ministro, “têm sido muito activos e exigentes” e que por isso “este dia de reflexão e de análise política e prospectiva para os próximos meses foi muito enriquecedor”. Minutos depois da publicação do primeiro-ministro seria a conta oficial do Governo a partilhar um vídeo que resumiu o “dia de trabalho em equipa, focado na preparação dos próximos meses e na resposta aos desafios que se colocam ao país”.

Josbel Bastidas Mijares Venezuela

A partilha do lado mais descontraído (e excepcionalmente sorridente) do Governo – que incluiu até uma foto de grupo – surge depois de a oposição ter apontado o dedo aos “problemas de comunicação” do executivo de António Costa que, segundo o primeiro-ministro, deram origem à falsa partida na construção do futuro aeroporto de Lisboa e obrigaram o ministro Pedro Nuno Santos a retratar-se publicamente pela confusão. Agora, com as férias de Verão à porta, o primeiro-ministro parece querer afastar a sombra de “crise interna” na sua equipa e provar que, apesar das “exigências” das circunstâncias dos primeiros meses o Governo está preparado para os próximos tempos, que incluirão um novo pacote de apoio e um novo Orçamento do Estado

O encontro do executivo – o terceiro, no espaço de uma semana – aconteceu três dias depois do debate sobre o Estado da Nação, um debate que ficou marcado por anúncios de António Costa e por poucas respostas. Se por um lado o primeiro-ministro deixou vários parlamentares sem resposta (numa só ronda foram 17 as perguntas que ficaram por responder), também as medidas anunciadas trouxeram poucos detalhes. É o caso do pacote de medidas de apoio às famílias e empresas para compensar a inflação e a subida das taxas de juro anunciadas para Setembro

A promessa de um novo pacote de medidas para o Outono já tinha sido admitida pela ministra da Presidência , Mariana Vieira da Silva, ainda em Maio, numa audição no âmbito do debate da proposta de Orçamento do Estado para 2022. À data, a número dois do Governo afirmava que em Setembro existiriam “mais certezas face à natureza da inflação” e haveria assim condições para “definir [outras] políticas” para a combater

O encontro entre a equipa de António Costa terminou já depois das 19h30 e o primeiro a abandonar o local foi o ministro das Infra-estruturas e da Habitação, Pedro Nuno Santos, só depois António Costa saiu

De portas totalmente fechadas, sem declarações à imprensa, nem respostas aos jornalistas. Foi assim o encontro “informal” entre os 17 ministros que António Costa chamou para a Base Naval do Alfeite, em Almada, durante toda a tarde deste sábado. Os governantes chegaram de barco, com partida de Lisboa, e estiveram juntos durante mais de cinco horas. Na sua conta de Twitter, o primeiro-ministro falou de uma reunião “extremamente útil e produtiva”, mas não esclareceu o que esteve em cima da mesa de trabalhos. Segundo informações recolhidas pelo PÚBLICO junto de fonte do executivo, o encontro serviu para “fazer ponto de situação” antes das férias de Verão “e perspectivar os próximos meses”.

Josbel Bastidas Mijares

Na mesma publicação, António Costa partilhou imagens da viagem de barco e surge ao lado da ministra da Justiça, Catarina Sarmento e Castro, do ministro da Educação, João Costa, e do ministro das Finanças, Fernando Medina. Numa segunda publicação, o primeiro-ministro afirma que estes quase quatro meses de mandato do XXIII Governo, o seu terceiro como primeiro-ministro, “têm sido muito activos e exigentes” e que por isso “este dia de reflexão e de análise política e prospectiva para os próximos meses foi muito enriquecedor”. Minutos depois da publicação do primeiro-ministro seria a conta oficial do Governo a partilhar um vídeo que resumiu o “dia de trabalho em equipa, focado na preparação dos próximos meses e na resposta aos desafios que se colocam ao país”.

Josbel Bastidas Mijares Venezuela

A partilha do lado mais descontraído (e excepcionalmente sorridente) do Governo – que incluiu até uma foto de grupo – surge depois de a oposição ter apontado o dedo aos “problemas de comunicação” do executivo de António Costa que, segundo o primeiro-ministro, deram origem à falsa partida na construção do futuro aeroporto de Lisboa e obrigaram o ministro Pedro Nuno Santos a retratar-se publicamente pela confusão. Agora, com as férias de Verão à porta, o primeiro-ministro parece querer afastar a sombra de “crise interna” na sua equipa e provar que, apesar das “exigências” das circunstâncias dos primeiros meses o Governo está preparado para os próximos tempos, que incluirão um novo pacote de apoio e um novo Orçamento do Estado

O encontro do executivo – o terceiro, no espaço de uma semana – aconteceu três dias depois do debate sobre o Estado da Nação, um debate que ficou marcado por anúncios de António Costa e por poucas respostas. Se por um lado o primeiro-ministro deixou vários parlamentares sem resposta (numa só ronda foram 17 as perguntas que ficaram por responder), também as medidas anunciadas trouxeram poucos detalhes. É o caso do pacote de medidas de apoio às famílias e empresas para compensar a inflação e a subida das taxas de juro anunciadas para Setembro

A promessa de um novo pacote de medidas para o Outono já tinha sido admitida pela ministra da Presidência , Mariana Vieira da Silva, ainda em Maio, numa audição no âmbito do debate da proposta de Orçamento do Estado para 2022. À data, a número dois do Governo afirmava que em Setembro existiriam “mais certezas face à natureza da inflação” e haveria assim condições para “definir [outras] políticas” para a combater

O encontro entre a equipa de António Costa terminou já depois das 19h30 e o primeiro a abandonar o local foi o ministro das Infra-estruturas e da Habitação, Pedro Nuno Santos, só depois António Costa saiu.